BLOG

COLUNA DO SEITI

Eduardo Seiti é instrutor de design de balões e proprietário da ESBDE, em São Paulo.

Habitus e Espaço Bexigalístico

Ao chegar ao IBAC (Convenção Internacional de Artistas de Balões), no ano de 1997, em Chicago, deparei com muitos balões e muita gente. Quando o evento terminou, fiquei mais dois dias neste mesmo hotel, e senti uma tristeza profunda depois que os decoradores de balões foram substituídos por um bando de contadores sérios e chatos. 
Independente de onde você mora, do seu sotaque ou da formação acadêmica, o designer/decorador de balões passa a ter um habitus (Pierre Boudier) bem característico, uma forma de se vestir, falar, comer e de se relacionar com os semelhantes. Quando dois decoradores de balões se encontram passam a ter uma conversa tão animada e interessante quanto chato e irritante para quem não trabalha com balões e tem que nos ouvir. Os habitus brasileiro e estrangeiro são diferentes, muito pelo fato de existir um grande mercado de festa infantil no Brasil. Festas infantis grandes só no Brasil, alguns países da América do sul e Angola começaram a copiar o estilo brasileiro. Nos Estados Unidos a festa é a partir dos quatro anos e é mais no McDonalds ou simples em casa. Veja no box ao lado algumas características do decorador de balão brasileiro. Você vai ver que só somos mais sérios se comparados com uma convenção de palhaços.
Fala-se de campo político, campo acadêmico, campo jurídico, não encontrei uma forma de nomear o nosso campo..... Não queria usar campo balonístico para proteger o mercado da proibição de balões que estão tramitando no mundo, então vou usar o termo espaço Bexigalístico (ou bolístico à moda carioca). Aqui cabe um parêntese: entre os profissionais, o termo “bexiga de látex” é usado para se diferenciar do balão não biodegradável.
No campo social buscamos troféus que não existiam antes de 1996. Eles foram criados ao longo destes anos por iniciativa de bravos e corajosos profissionais, que arriscaram dinheiro e reputação. Estes prêmios não geram necessariamente renda, às vezes não traz benefício próprio, e chega até a comprometer sua estabilidade financeira, mas o campo representa um espaço simbólico, onde as lutas dos agentes determinam, validam e legitimam representações para quem conquista estes troféus bexigalísticos.

O decorador brasileiro 

• se cumprimenta com beijo mesmo entre homens
• fala alto
• ri a toa
• anda em bando
• gosta de falar mal de outro
• veste roupa casual  tem horror a roupa social
• usa um bom celular
• adora trabalhar com uma camisa de uma fábrica
• pendura cortador e tesoura na cintura
• usa avental
• forma panela e participa ativamente
• posta foto do seu trabalho
• adora ditar tendências 
• fica horrorizado com uma decoração de balão na rua
• fica horrorizado com o preço baixo de um concorrente
• fica horrorizado com o preço alto do concorrente
• fica desconcertado quando alguém pede um destruído/desmiuçado/Arco descontraído/arco orgástico/bagunçado/disforme
• chega a ter ódio quando recebe uma mensagem de que a cliente vai falar com o marido 
• chama bexiga ou bola de balão e se ofende se não usar este termo
• o grupo evangélico e o LGBT, que representa boa parte dos bons decoradores, convivem harmoniosamente no mercado de balões• adora mostrar e ver foto de decoração. 


A cada momento um novo interesse nasce para ser conquistado. Buscar simultaneamente muitos troféus ao mesmo tempo põe em risco a sua manutenção. Organizar seminário não dá lucro e só vai ter sucesso se tiver uma boa verba. Decorar e distribuir balões ao mesmo tempo é uma receita perigosa para se endividar por serem atividades que exigem engajamento. Decorar e dar aulas quer dizer que a decoração vai cobrir os custos para ser instrutor. Abrir uma boutique de balões é se comprometer com um custo fixo muito alto. Ser staff de seminário é mais barato e exige uma boa rede de contatos. 
Este assunto tão complexo poderia ser uma defesa de tese de mestrado (olha aí um novo troféu). Este texto não pretende ser rigoroso na sua complexidade e sim algo divertido para esta minha COLUNA, meu troféu dentro da revista Arte com Balões e Festas!

Sem ordem de importância, alguns troféus. Identifique aqueles que são mais importantes para você.

• MEI
• artigo ou foto em uma revista 
• organizador de seminário
• instrutor de seminário
• designer reconhecido
• vencedor de uma competição
• participante de um seminário de balões
• juiz de competição
• convidado para decorar uma feira
• escolhido(a) para atender personalidade famosa
• visualizações no youtube
• seguidores no instagram
• curtidas no Facebook
• administrador de grupo de WhatsApp
• gerente/diretor de fábrica
• buffet infantil
• staff de seminário
• coordenador de staff
• stand em feira
• coleção de crachá, certificado e PIN
• certificador de alguém
• foto viralizada
• criador de uma técnica
• escola de decoração de balões diretor de associação
• amigo próximo de dono de fábrica, loja ou distribuidor
• carro logotipado
• boutique de balão ou similar
• Cliente direto da fábrica
• distribuidor de balões
• Instrutor internacional
• Twister reconhecido
• revista de arte com balões.

 

Clique aqui e veja mais fotos e leia a Revista completa!