BLOG

coisas de marketing

Beatriz Micheletto, consultora em gestão empresarial e fundadora da Be Marketing.

 

Parceria entre empresas aliança para o sucesso

Se um buffet indicar uma empresa de decoração de balões e essa, por sua vez, indicar o buffet, isso configura uma parceria?
Bem, claro que isso é bom para ambos. Mas, não. Isso não configura uma parceria, isso é apenas uma indicação, uma camaradagem, uma gentileza. 
Vamos entender um pouco mais sobre esse assunto? Veja alguns pontos que você deve ficar atento: 

Qual é a empresa e marca que realmente tem sinergia com a sua?
A partir do momento em que você firmar e divulgar uma parceria, sua marca e sua empresa estão dando um aval para seu parceiro. Portanto, analise muito bem com que marca você deseja aliar a sua. Verifique os comentários que os clientes desse provável parceiro fazem a respeito do serviço prestado, pontualidade, como tratam seus clientes, se tem problemas em honrar pagamentos etc. Busque evidências. 
Parceria não é para todos os casos. Tem que haver sinergia entre os negócios, não apenas entre os empresários.
Se você tem um amigo de infância que possui uma clínica de cirurgia de alguma enfermidade e você faz decoração com balões, talvez não seja o caso para uma parceria. No máximo, você venderá um arco de balões em algum evento pontual da clínica. 

Qual o objetivo da parceria? 
Deve haver um motivo claro para que você firme uma parceria. Senão, para que vincular duas empresas, suas imagens, seus trabalhos, seus compromissos? 

Antes de mais nada, pergunte a si mesmo por quê você firmará uma parceria e o que você e a outra parte ganharão com isso. Quais os compromissos/comprometimentos de cada parte?
Seja específico. 

Onde se dará a parceria?
Na sua empresa, na empresa do parceiro, no site, na loja virtual, on ou offline? 
A parceria pode ser, por exemplo, um banner da empresa de decoração no site do parceiro, no caso um buffet; e, a cada festa fechada pelo buffet, o cliente que fechar também os balões (decoração a partir de R$ x.xxx,xx) ganha 1 arco simples com XX balões. 
Assim, o cliente passa a ser de ambos (ambos lucram) e o benefício tangível vai para o cliente 
Cliente satisfeito é seu melhor marketing! Ele indica e recompra!

Como se dará a parceria?
Primeiramente, as partes têm que conversar e definir os parâmetros da parceria.
Apenas o “você me indica e eu te indico” não é parceria. Deve haver um compromisso de cada uma das partes em alavancar o negócio da outra parte. 
A melhor coisa a se fazer é redigir um contrato de parceria. Procure um modelo na internet, redija segundo o que foi combinado entre as partes e depois valide com um advogado; somente esse profissional está apto a orientar o que é legal (aos olhos da lei) e o que não é. Assim você estará seguro e respaldado pela lei no caso de algum destrato ou situação desconfortável que porventura venha a acontecer. 
Quando você sugere o contrato e expõe que você já possui um modelo, isso passa uma ideia de organização, seriedade nos negócios e credibilidade. Além de evitar transtornos desnecessários. 
O contrato deve ser simples e serve para que não fique aquela sensação de “eu achava que seria diferente” ou “eu esperava que meu parceiro fizesse tal coisa” e vice-versa. 

Quem são os envolvidos e quais são as atividades?
Tudo isso deve constar também no contrato. 
Mas, vamos lá! Outro exemplo: a cada potencial cliente que solicitar orçamento pelo site, ambos receberão um e-mail automático do site para que, em conjunto, elaborem a proposta. 
Caso o cliente queira fechar o pacote completo (buffet e decoração com balões), ambos os fornecedores acertarão os detalhes da entrega dos serviços de acordo com o orçamento enviado e o aceite do cliente. 
Caso o cliente queira fechar apenas a decoração ou apenas o buffet, a parte que não for incluída deve ser notificada (receber cópia do e-mail do cliente evidenciando). Tudo às claras, com muita transparência e ética. 

Há várias formas de parceria. O importante é que:
•As duas partes envolvidas (fornecedores, no caso empreendedores) ganhem e também o cliente!
•Todos os detalhes sejam discutidos, acoradados e aceitos pelos dois empresários; caso contrário, não há parceria.
•Haja o compromisso mútuo de alavancar as partes envolvidas.
•Sejam definidos indicadores e que sejam monitorados e mensurados.
•Seja definido período de vigência da parceria.
•Seja definida exclusividade ou não.
Você já faz algum tipo de parceria que considera inovadora? Conte-me! Terei o maior prazer em ouvi-lo. 

Clique aqui e veja mais fotos e leia a Revista completa!